quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Atividade econômica de Salvador expandiu 9,2% em outubro

No terceiro trimestre de 2013, a economia baiana registrou expansão de 3,4%, conforme cálculo do PIB da Bahia realizado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria do Planejamento (Seplan). No mesmo período, observou-se crescimento de 2,2% da economia brasileira. Na comparação com trimestre imediatamente anterior (2º Tri/2013), quando são eliminadas as influências sazonais, constatou-se retração de 0,48%, taxa igual à do Brasil 0,5%. A retração, na comparação sazonal, já era esperada, devido os fatores sazonais do terceiro trimestre, que tradicionalmente fazem com que a taxa seja negativa. Já na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o crescimento foi puxado basicamente pela expansão da indústria de transformação. Construção civil e agropecuária contribuíram negativamente para a taxa do PIB.
Com expansão de 3,2% de janeiro a setembro, a estimativa da SEI é de que o PIB de 2013 alcance 2,7% de crescimento. “O resultado do PIB do terceiro trimestre de 2013 foi bastante satisfatório, considerando o contexto da economia nacional. No acumulado dos últimos 12 meses, o incremento de 3,3% na economia baiana, enquanto o Brasil cresceu 2,3%, aponta para a possibilidade real de, mais uma vez, este ano, a Bahia crescer mais do que a média nacional. Além disso, torna bastante factível nossa estimativa de alcançar uma taxa de 2,7% no ano. Este cenário consolida uma leitura mais otimista para o ano de 2014, quando se espera menor incidência da seca na agropecuária, a retomada da construção civil, em função da continuidade das obras públicas, o melhor desempenho do setor de serviços, em função da Copa, e um maior impacto dos investimentos industriais como resultado da maturação de grandes empreendimentos, a exemplo dos já iniciados nos ramos de energia eólica, mineração, acrílico, automotivo e naval”.
Indústria cresce 5,1% no terceiro trimestre
A indústria baiana foi a principal responsável pelo crescimento da atividade econômica baiana. Os dados apontam que no terceiro trimestre o setor cresceu 5,1%, sendo que este resultado foi basicamente influenciado pela expansão de 8,8% no setor de transformação. No ano, a indústria baiana acumula crescimento de 4,9% enquanto que a transformação cresce 8,6%. Além da transformação, a produção e distribuição de energia elétrica, gás, água e esgoto (SIUP) também registra desempenho positivo no ano com crescimento acumulado de 3,5%. Por outro lado, a construção civil e a extrativa mineral apresentam crescimento negativo em 2013, com taxas de -3,1% e -0,8% respectivamente. No trimestre, a extrativa mineral teve crescimento de 2,2%, puxada pelo aumento na produção de petróleo e a construção civil queda de 2,6%. No que se refere à construção civil, é importante ressaltar que as obras públicas vem contribuindo para que a performance do setor se mantenha estável, com a possibilidade de que o segmento feche 2013 no mesmo nível de 2012.
Seca ainda provoca retração na Agropecuária
A agropecuária apresentou, no 3º trimestre de 2013, retração de 3,7% na comparação com mesmo período do ano anterior, acumulando, no ano, queda de 3,9%. A retração da agropecuária baiana deve-se ainda aos efeitos da seca sobre algumas culturas, e também é associada à praga “Helicoverpa armigera”, que vem devastando grandes extensões de plantações de milho, algodão e, particularmente, de soja, gerando grandes prejuízos aos produtores do oeste baiano.
Os dados do LSPA – Levantamento Sistemático de Pesquisa Agrícola – apontam que as produções da soja e do algodão registraram quedas de 13,5% e 24,6%, respectivamente. O conjunto da produção de grãos da Bahia teve queda de 6,6%, segundo a mesma fonte. Milho, café, cana-de-açúcar e feijão tiveram desempenho positivo no período.
Setor de serviços registra alta de 2,1% em 2013
No terceiro trimestre de 2013, o setor de serviços apontou crescimento de 1,5%, enquanto que no ano a taxa de crescimento do setor acumula alta de 2,1%. Apesar de crescer em menor ritmo, o segmento de comércio foi um dos grandes propulsores da expansão do setor no 3º trimestre ao registrar taxa de 2,6%. No ano, a atividade acumula ligeira alta de 1,5%. A Administração Pública (APU) teve expansão de 0,5%, acumulando, no ano, crescimento de 2,4%.